Do vento.

    Ao expirar de um vôo no espaço

    cansado veloz  em frêmito passo

    sou terna os pratos de aço

    franca – por puro descaso

    compassada valsa já que apago

    e quando em pulso imaginário

    varo o fundo  a rapa escura

    até que um vão  um outro lado

    meio morto em tom calado

    rompeu vento desvairado!

                                                                                                            Estela Ceregatti

Um comentário em “Do vento.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s