A estrela de Estela – por Martha Baptista/Diário de Cuiabá

MONOFOLIAR – www.diariodecuiaba.com.br  

A estrela de Estela

Ela tem só 23, mas já está na estrada há muitos anos. Já é uma artista que brilha, com sua luz própria e talento

Martha Baptista
Da Reportagem

Estela Ceregatti tem 23 anos e, pode apostar, ainda vai voar longe. Compositora, cantora e instrumentista, ela não é uma cara nova no cenário musical mato-grossense, pois já se apresentou com vários grupos, como Os Novos Chorões, Boca de Matilde e Bionne, mas de um ano para cá vem se firmando com um trabalho autoral. Teve, inclusive, uma composição (“Céu Reduto”) incluída no CD “Cirandando” de Vera Capilé, lançado recentemente.

Tudo isso explica a inclusão do show “Monofoliar” na mostra Guaná – Aldeia Sesc de Arte e Cultura. Estela Ceregatti sobe hoje ao palco do teatro do Sesc Arsenal, em companhia dos músicos (e também compositores) Juliane Grisólia (percussão) e Jhon Stuar (contrabaixo e piano) – que são alguns de seus parceiros no grupo Urutau. A proposta do espetáculo é ousada, expressa “a musicalidade dos compositores entrelaçada a influências populares diversas” e é resultado de muita pesquisa, inclusive, usando o mocho, instrumento típico cuiabano.

“Como músicos salientamos a semântica da palavra atrelada a texturas e atípicos timbres de concepção instrumental e na despretensão de alcançar o alcançável, irrompem a si mesmos através das sonoridades de seus corpos e o todo – ínfimo – mono – foliar”, afirma Estela, no texto de apresentação do espetáculo.

ONIPRESENÇA DA MÚSICA

Em resposta a algumas perguntas feitas por email, Estela acabou enviando ao Ilustrado um texto muito revelador da importância da música em sua vida, do qual vamos reproduzir alguns trechos:

“A música está presente em minha vida desde sempre, talvez em algum alcance que ultrapasse esta vida. Cresci em um cerne familiar felizmente sensível. Tios músicos – Ellen e Pio Toledo, mãe psicóloga e pianista, pai professor de artes. Estudei em uma escola cuja arte é a principal matéria, ela é que rege a pedagogia Waldorf, e foi lá também que dei de encontro com o teatro, a culinária, os desenhos de formas, trabalhos manuais, marchetaria, esculturas de argila e a ‘música’ – como ela me chamou atenção! Tudo tinha um toque musical: o deslizar dos pincéis ao pintar uma aquarela, a água escorrendo no barro, as falas ritmadas do teatro ou o canto, puramente, nas aulas de música. (…) Para mim a música nunca está sozinha, mas interligada a outras artes que acabam por fortalecê-la.”

Estela conta que a necessidade da criação artística sempre existiu em sua vida, até que um dia se transformou na vontade de compor: “Aos 14 anos, assim que comecei a aprender a tocar violão, não me bastavam interpretações. Apesar de crer que elas são essenciais para manterem vivas as músicas de outrora, senti fortemente a sensação de querer criar algo no meu instante, talvez algo novo, mas de coração, verdadeiro. Aconteceu que a música na minha vida se tornou meu mais importante alimento para o espírito.”

Ela destaca alguns professores de grande importância para sua formação: Fátima Guedes (RJ), Ellen e Pio Toledo (MT), Roberto Victório (RJ/MT) e Flávia Vieira (RJ/MT). Hoje, Estela trabalha em seu primeiro CD solo e é professora de música no Colégio Brasílis, escola Waldorf, e no Porto Geral – um Ponto de Cultura.

A experiência com outras profissões, durante a época em que morou em Toronto (Canadá) e tocou em restaurantes, bares noturnos e galerias de artes, foi muito enriquecedora, segunda ela. Estela trabalhou como bar tender e fazendo sanduiches num fast food árabe. “Foram experiências duras, mas me trouxeram uma visão de sociedade nunca antes vivenciada. (…) Eu me senti cada vez mais provocada para falar sobre o que vivia, para externar uma enxurrada de pensamentos sobre as pessoas, o mundo, minha visão no anonimato”.

A necessidade de fazer arte ficou ainda mais forte: “Creio que ela possui a grandeza de transformar as coisas para o bem e é por isso que continuo a tecer o som todos os dias pelo infinito fiar das cordas do mundo em microtons. (…) Acredito que é preciso que haja o silêncio revelador de barulhismos para que se possa contemplar o som e perceber as minúcias de um sorriso ou de um crispar de folhas. Sinto que é preciso trazer as pessoas à escuta atenta, pois ela amplia os horizontes da imaginação”. Assim falou Estela…

SERVIÇO

O QUE: show “Monofoliar”

QUANDO: hoje, às 20h

ONDE: Teatro do Sesc Arsenal

QUANTO: entrada franca

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s