Rara.

Esta é menos encontrada que as outras, ele disse;  se parece com as orquídeas ao redor, mas  repare bem na diferença. Os rizomas que a sustentam são fortemente atrelados a uma haste solitária, como se vivesse no mundo pueril das crianças ou no movimento recluso do homem criativo. Sua flor é música colhida do sol, terra e solidão para que seja doada à eternidade alçada ao vôo infindo das abelhas polinizadoras.

Eis o sentido “Monofoliar” da existência artística natural.

                                                                                                                        Estela C.

so we sing.

 

Como outrora, a vida segue cheia de botões escondidos e de tão poucas pessoas a espiar o nascimento da flor, que toda vez me lembro da cena esperançosa de um amigo observador de cactos. Ao percebê-los em tão significativo sinal do desabrochar de um botão – revive sua felicidade efêmera.

Não que essa fosse a única opção do vôo tortuosamente reto.

                                                                                                                                                                                          Estela C.